Supercomputador HPC5 da Eni contribui para pesquisa de Coronavírus

A Eni disponibilizou livremente a sua infraestrutura de supercomputação e a sua experiência em modelação molecular à investigação do coronavírus, oferecendo o contributo de ferramentas e recursos de excelência na luta contra a emergência global.

A colaboração será desenvolvida no âmbito do projeto europeu EXSCALATE4CoV, liderado pela empresa biofarmacêutica Dompé, que agrega instituições e centros de pesquisa de excelência na Itália e noutros países europeus, a fim de identificar os medicamentos mais seguros e promissores na luta contra o Coronavírus. A Eni contribui para o trabalho no âmbito de uma parceria com a Cineca, um consórcio de pesquisa sem fins lucrativos no contexto em que colaboram universidades, centros nacionais de pesquisa e o Ministério da Universidade e Pesquisa da Itália.

A equipe de trabalho em conjunto realizará uma simulação molecular dinâmica de proteínas virais consideradas relevantes no mecanismo de infeção Covid-19, para identificar, através da utilização de bases de dados contendo 10.000 compostos farmacêuticos conhecidos, os mais eficazes. Em seguida, desenvolveremos uma atividade para procurar novas moléculas antivirais específicas através do rastreio de biliões de estruturas.

A Eni já iniciou as atividades com a Cineca e disponibilizou ao consórcio a sua experiência técnica e a utilização do sistema de supercomputação HPC5, o mais poderoso do mundo a nível industrial. A sua arquitetura híbrida torna os algoritmos para a simulação molecular particularmente eficientes.

"Num momento de emergência global como o atual, temos de mobilizar todos os recursos disponíveis com o objetivo de superar o desafio que enfrentamos, e somos honrados como Eni por poder dar nossa contribuição para tentar encontrar soluções para esse desafio pela humanidade ", afirmou Claudio Descalzi, CEO da Eni.

"Agradecemos à Eni pelo seu valioso contributo, confiante de que esta colaboração pode contribuir significativamente para alcançar um resultado em breve e também pode ser um modelo de recuperação", comentou Sanzio Bassini, diretor do Departamento de Supercomputação da Cineca.