Eni inicia o HPC4 e faz do seu sistema de computação o mais poderoso no mundo da indústria

O HPC4 é uma conquista importante em processo de digitalização da Eni", comenta o CEO Claudio Descalzi. Instalado no Green Data Center da Eni, o novo supercomputador HPC4 irá garantir um nível muito alto de processamento de dados e capacidade de armazenamento. O sistema é capaz de hospedar todo o ecossistema de algoritmos desenvolvidos internamente pela Eni.


O HPC4 tem um desempenho máximo de 18.6 Petaflops que combinado com a supercomputação do sistema já em operação (HPC3) aumenta a capacidade de pico computacional da Eni para 22,4 Petaflops.

De acordo com a última lista oficial de supercomputadores Top 500 publicada em novembro passado (a próxima lista deve ser publicada em junho de 2018), o HPC4 da Eni é o único no ranking de sistemas não-governamentais e não-institucionais entre os dez melhores sistemas do mundo.
O Green Data Center da Eni foi projetado como uma única infraestrutura de TI para hospedar toda a arquitetura da HPC e todos os outros aplicativos de negócios.

Os supercomputadores da Eni Green Data Center (o HPC3 e o novo HPC4) fornecem suporte estratégico ao processo de transformação digital da empresa em toda a cadeia de valor, desde a fase de exploração e desenvolvimento de reservatórios de petróleo e gás até a gestão dos grandes dados gerados em fase operacional por todos os nossos ativos produtivos (upstream, refinação e petroquímica).

A infraestrutura de supercomputadores da Eni opera com base num ecossistema de algoritmos proprietário extremamente avançado e complexo, criado e desenvolvido pela Eni e baseado na sua própria experiência e conhecimento. Em particular, o HPC4 suportará a execução 2 e a evolução da linha de liderança da Eni de pacotes de imagem sísmica 3D da Eni, bem como a modelagem avançada do sistema de petróleo, juntamente com algoritmos de simulação de reservatórios de última geração e otimização de plantas de produção.

O diretor executivo da Eni, Claudio Descalzi, comentou: "Os investimentos dedicados ao reforço da infraestrutura de supercomputação e ao desenvolvimento de algoritmos são uma parte significativa do processo de transformação digital da Eni. Podemos armazenar e processar enormes quantidades de dados para imagens geofísicas, modelagem de sistemas de petróleo e reservatórios, além de usar algoritmos de computação preditiva e cognitiva para todas as nossas atividades comerciais. Essas tecnologias vão permitir, por um lado, acelerar e tornar todo o processo a montante mais eficiente e preciso, reduzindo os riscos na fase de exploração e, ao mesmo tempo, dando-nos uma vantagem tecnológica significativa, mas também para aumentar o nível de confiabilidade, integridade técnica e operacionalidade de todas as nossas plantas produtivas, minimizando os riscos operacionais, com benefícios em termos de segurança e impacto ambiental. Na nossa indústria, é cada vez mais importante poder processar quantidades cada vez maiores de dados, garantindo resultados mais precisos e rápidos. Com HPC4 estamos a rastrear o caminho para o uso de supercomputadores de exascale no setor de energia que poderão revolucionar a forma como as atividades de petróleo e gás são gerenciadas. De acordo com a política de sustentabilidade da Eni, o Green Data Center da Eni e o novo HPC4 foram projetados para garantir o máximo nível de eficiência energética para minimizar as emissões de CO2 e os custos operacionais". A arquitetura do sistema HPC4 foi projetada com a mesma filosofia das soluções HPC anteriores da Eni, todas baseadas em uma tecnologia de clusters híbridos.

O novo cluster HPC híbrido fornecido pela Hewlett Packard Enterprise (HPE) é construído em 1600 nos HPL ProLiant DL380, cada um equipado com dois processadores Intel 24-core Skylake (totalizando mais de 76.000 núcleos) e dois aceleradores NVIDIA Tesla P100 GPU, todos conectados através de um EDR InfiniBand de alta velocidade. O novo sistema funcionará ao lado de um subsistema de armazenamento de 15 Petabytes de alto desempenho.